quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Mossoró X Educação Ambiental (o começo do fim).

No ano passado em uma caminhada, no finalzinho da tarde de um belo dia da semana, pela zona comercial de Mossoró, fiz alguns registros de fotos (abaixo registradas) sobre os esgotos da Cidade. Ocasião azada para uma boa verificação da educação ambiental dos mossoroenses. O que vi foi assustador. Quase todos os esgotos e bueiros da Rua Coronel Gurgel, nas imediações da Praça Rodolfo Fernandes (Praça do Pax), estavam cheios de lixo. Presenciei, também, na Avenida Augusto Severo (que faz cruzamento com a Avenida Alberto Maranhão), imediações do Banco Itaú, papéis e sacolas (personalizadas) servindo de obstáculos para o fluxo das águas dos esgotos.

Nesse passeio percebi vários contêineres de lixo quebrados (a maioria foi vítima dos arruaceiros metidos a valentões, e os outros foram dá má gestão da prefeitura). Praças sujas com copos descartáveis, embalagens de doces decorando o ambiente e piúbas de cigarros só esperando você pisar.

Destaco aqui uma cena trivial, aqueles famosos “robozinhos” - nada contra essas pessoas  - (algumas das quais, muito sérias e com expressão de ausência da ação - trabalhando por pura necessidade - quase sem amor ao que fazem e pouca consciência de cidadania) fazendo entrega (forçando a entrega, diga-se de passagem) de papéis aos transeuntes. O mais lastimável é que a maioria do pessoal que passa próximo aos “robozinhos” recebe e, quase que instantaneamente, jogam os papéis no chão.


Dizem que se conselho tivesse valia, ninguém dava, vendia. Contudo, vou dizer: se aquilo (aquele papel de propaganda) não lhe interessa, não receba. A má educação está em receber e jogar no chão ou nos contêineres, e não em não receber. Se você não recebe, estará induzindo as empresas a evitarem desperdiçar material, pois sobrará papéis de propaganda no final do dia e, com isso, evitará mais desmatamento.

Voltarei ao tema mais adiante. Aguarde!

Veja algumas das fotos:











segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Pense nisso.

"Em toda a vida, nunca me esforcei por ganhar nem me espantei por perder. A noção ou o sentimento da transitoriedade de tudo é o fundamento mesmo da minha personalidade."

Cecília Meireles

sábado, 22 de janeiro de 2011

A gestação é em 38 semanas (9 meses) ou em 40 semanas (10 meses)?

Depende. Se você está contando a partir do dia da ovulação (o que é muito difícil, para a maioria das mulheres, saberem quando foi que ocorreu a fecundação, ou mesmo, quando a data correta da ovulação) então teremos 38 semanas de gestação (ou seja, 266 dias) que equivalem a 9 meses. Agora, se você contar a partir da última menstruação (primeiro dia do último período menstrual) teremos então 40 semanas que perfazem 280 dias (10 meses).

O doutor Antonio González, em entrevista concedida ao jornal El Mundo,  responsável pela área de ginecologista do Hospital Universitario La Paz de Madrid,  diz que devido a essas contas o tempo da gravidez chega a seu fim quando se está entre 37 e 42 semanas, abaixo disso considera-se uma gravidez pré-matura.

Quer saber mais?

Acesse:

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Pense nisso.

“É uma verdade dura de aceitar, mas a natureza não se importa se vivemos ou morremos. Não podemos sobreviver sem os oceanos, por exemplo, mas eles podem passar muito bem sem nós”.

Roger Rosenblatt

sábado, 15 de janeiro de 2011

Tragédia e má vontade (leia-se: incompetência) política são sinônimos.

A grande tragédia que acompanhamos esses dias pelas emissoras de televisão sobre os deslizamentos de terras na região serrana do Rio de Janeiro, deixa marcada a incompetência do nosso sistema político.  É salutar lembrar que no último pleito, políticos compareceram aquela área em busca de votos, estes já sabiam que havia estudo, encomendado pelo próprio Estado do Rio de Janeiro, que alertava para o risco de uma tragédia naquela região. As movimentações políticas demagógicas, assim como, as verborragias continuaram por todo o pleito, e nada de ação concreta foram realizadas para alertar e/ou retirar as pessoas da área de risco.

Diante dessa má gestão (leia-se: má vontade) ocorreu o pior. Agora os erros aparecem, e da pior forma, nas marcas de lágrimas que escorrem de todos que veem seus entes queridos desabrigados e mais de 500 mortos. 


O que se observa são palavras que não recuperam os erros gravíssimos, e fatais. Agora, vem o empurra-empurra de culpas (estão culpando até os céus):

  • O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou, ontem, sexta-feira, “que a responsabilidade pela tragédia no Rio é uma falha histórica do governo”. Que descoberta! Palavras ao vento.
  • O governador fluminense, Sérgio Cabral, disse que o populismo é o responsável maior pela catástrofe que despencou sobre a Região Serrana do Estado.
  • Em São Paulo, Gilberto Kassab preferiu creditar aos céus a culpa pela recente inundação da maior cidade do País.
Veja essa que saiu na folha Uol:

 “O secretário do Ambiente do Rio, Carlos Minc, disse que o mapeamento de áreas de risco foi feito, faltando "apenas" a retirada dos moradores, e que os parques florestais da região também foram ampliados.”  O ‘apenas’ não foi feito!

Vou citar uma frase da música “Nordeste Independente” de Elba Ramalho, composição de Bráulio Tavares e Ivanildo Vilanova, que caberá, e servirá de alerta, para todos os políticos dessa nação: “(...) políticos brasileiros, não pensem que vocês nos enganam porque nosso povo não é besta”. Espero que esta frase, desses grandes compositores, tenha um peso de valor na consciência de nosso povo.

Pobre Brasil!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Big Brother Brasil, um programa imbecil

Já faz algum tempo que publiquei esta poesia aqui neste espaço. Entretanto, diante de alguns pedidos de colegas que leem este blog, irei mais uma vez postá-lo, haja vista o momento oportuno pra tal intento.


Big Brother Brasil, um programa imbecil

Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.

Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Dar muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério - não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal...

Antônio Barreto é poeta popular baiano.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

“Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania”

Para quem já não suporta mais ouvir tanta asneiras, e para aqueles que já perderam as estribeiras quantos a certas programações televisivas, melhor dizendo, quanto a baixaria na TV brasileira, já existe uma maneira de fazer calar tais programas. A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara lançam campanha “Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania”.

A estratégia é minar programas que não acrescentam algo de valor a população. Através de intensas baixarias, com usos de palavras chulas, os programas vão desrespeitando lares brasileiros e contribuindo para um amontoado de sensacionalismo barato.

Denúncias poderão ser apresentadas no sítio (logo abaixo) e pelo telefone da Câmara (0800 619 619).

Quer saber mais? Acesse: http://www.eticanatv.org.br/

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Decifra-me ou te devoro

Saiu no blog de Carlos Santos:

Quantos ex-deputados estaduais estão lotados na Assembleia Legislativa, o que fazem (se fazem) e quanto ganham?

Quantos ex-prefeitos e ex-vice-prefeitos estão lotados na Assembleia Legislativa, o que fazem (se fazem) e quanto ganham?

Decifra-me ou te devoro.

Fonte: http://www.blogdocarlossantos.com.br/

E eu acrescento:
  • Por que é tão dificil a realização da reforma política no Brasil?
  • Por que é tão fácil, e tão rápido, as aprovações de aumento de salários dos ministros e parlamentares? 
  • Por que os nossos escolhidos na política não lutam por uma educação de qualidade? (Lembro a você que povo consciente é um perigo para estes).

Decífra-me ou te devoro.


segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Pense nisso

E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença
Muda a nossa vida
E depois convida
A rir ou chorar...

Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela
Que um dia enfim
Descolorirá...

(Trecho da música  Aquarela de Toquinho / Vinicius de Moraes / G.Morra / M.Fabrizio)