sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A democracia é forçada a dá passagem a baixaria.


A democracia é forçada a dá passagem a baixaria. É isso que está ocorrendo na campanha deste ano em Mossoró. Agora é o tal do vale tudo. O ruim disso é que o próprio povo que deveria exigir compromisso dos candidatos a promoverem o debate sadio e de qualidade é quem primeiro joga álcool na fogueira.

Candidatos que participam deste tipo de ações não são dignos de representarem o povo. Assim como, o povo que promove, ou aceita, este tipo de candidato como representante de sua cidade não terá moral de exigir, ou criticar, possíveis distorções, ou desvio, de conduta quando este assumir o cargo.

Fato lamentável!

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Como foi o debate?

No último debate, ontem, pela TCM, alguns candidatos se mostraram prolixos, outros não conseguiram sair com destreza das perguntas e, ainda, outros atacaram com "gosto de gás". Resumindo tudo irei aqui postar a análise de Carlos Santos sobre o debate haja vista concordar com sua análise em gênero, número e grau.

Veja:

(...)

Os cinco candidatos a prefeito tiveram participação discreta. Não houve um destaque em si. Em determinados momentos, Josué Moreira (PSDC) soube conduzir boa linha de raciocínio.

Raimundo Nonato Sobrinho (Psol), o “Cinquentinha”, também teve situações de relevo. Edinaldo Calixto (PRTB), idem.

Os principais nomes na atual disputa, a deputada estadual Larissa Rosado (PSB) e a vereadora Cláudia Regina (DEM), não tiveram o esperado embate direto.

Larissa – liderando a disputa em todas as pesquisas de opinião pública publicadas – soube se esquivar do choque frontal e foi “ajudada” por Edinaldo, Cinquentina e Josué, que mantiveram “fogo cerrado” contra o modelo de gestão municipal em vigor há quase 16 anos, pelo DEM de Cláudia.

A candidata Cláudia Regina ainda tentou acuar a adversária, mas se embaraçou com a própria pergunta num momento decisivo, quanto à gestão da Saúde. Tentou atribuir à Larissa responsabilidade por problemas na Casa de Saúde Dix-sept Rosado. Tratou-a por “senhora”, “você” e ensaiou outro pronome de tratamento: “vossa …”

Larissa conseguiu transpor o terreno minado. Porém respondeu com evasivas algumas perguntas.

Cláudia Regina foi mais loquaz, mas insistindo que tocará – como governista – um “jeito certo” de governar, espécie de negação da essência de poder que representa. Josué Moreira é que aproveitou bem o deslize, insistindo em fina ironia.

O grande vencedor do debate foi… a própria TCM. A emissora fez um gol de placa na iniciativa, premiando seus telespectadores com um evento de qualidade, com escassas falhas técnicas.

Particularmente, gostei de Josué Moreira.

Mas todos merecem elogios.


Leia a postagem na íntegra AQUI

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O meu país. (música)

Música de qualidade faz o povo pensar. Dá seu recado, tem letra e harmonia. Provoca o cérebro a sair da inércia. Convoca o cidadão, e ainda por cima faz revolução.

Aqui deixo um exemplo:

domingo, 16 de setembro de 2012

Um teatro a céu aberto.


Não sou um historiador ou mesmo um analista político para saber tantos detalhes da política mossoroense. Contudo, sempre acompanho o desenrolar de alguns fatos que sobrevém. Entre eles está a ideia de que na política desta cidade não há uma disputa real. Há sim, uma aparência.

Ideias preconcebidas formada por uma população que não tem uma noção básica do que foram, e ainda são, as famílias Rosado, Maia e Alves em nossa cidade. Se procurar conhecer nos mínimos detalhes irá perceber que se trata de uma única família, e não três.

Digo assim, pois é assim que vejo em toda cidade o nome desta família em praças, logradouros, teatros, ginásio etc. Assim também vejo nas "disputas" políticas. Um grupo familiar que se “dividem” e passam a formar uma suposta oposição na qual ludibriam os menos avisados.

Mossoró, em época de campanha política, é um palco de teatro a céu aberto no qual o público não tem acesso as mascaras dos atores. Estes, por sua vez, criam o romance e a tragédia e envolvem os seus espectadores em uma trama que o faz crerem que a encenação é uma verdade fatológica.

Pobre Mossoró!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Os sete erros que alunos cometem na hora de estudar

Estudar requer tranquilidade, para uns; outros, dizem eles, conseguem estudar ouvindo música, ou ainda, fazendo outras atividades ao mesmo tempo. Contudo, o site Canal do Ensino  revela sete erros mais comuns  cometido pelo alunos na hora de estudar.

Veja abaixo:

Os sete erros que alunos cometem na hora de estudar

1. Ignorar os próprios ritmos

Se você acha difícil acordar cedo, não reserve as primeiras horas da manhã para o estudo, pois seu livro vai se transformar num travesseiro. Não adianta fazer um plano que não esteja adaptado ao seu ritmo. "Quando o estudante não cumpre o que planejou, a autoestima vai lá para baixo e leva junto o rendimento", afirma a psicóloga Adriana Machado.

2. Abusar dos estimulantes

Entupir-se de café para ficar acordado e poder estudar pode ser um grave erro. "Para pessoas saudáveis, uma xícara de café feito na hora, até quatro vezes ao dia, funciona como estimulante", diz Fernando Gomes da Rocha, professor de Medicina da Unesp. "Mas em grandes quantidades dificulta a concentração."

3. Só estudar

Passar noites em claro resolvendo equações não faz de ninguém um bom aluno. Sem pelo menos 6 horas de sono por dia, grande parte do que você estudou vai embora pelo ralo. "Um tempo reservado para relaxar e jogar conversa fora tem um efeito poderoso para reerguer o ânimo", garante a pedagoga Teresa Rego.

4. Forçar a barra

Sem motivação você não alcança sucesso nos estudos. Querer realmente aprender o que está à sua frente é meio caminho andado. "O adolescente já é capaz de perceber que a escola e o estudo não envolvem só momentos de prazer, mas também esforço e compromisso", analisa a pedagoga Teresa Rego

5. Passar por cima das dúvidas

Se você não entendeu algo, pergunte a quem saiba. "Para compreender certas situações usamos conhecimentos adquiridos em diferentes momentos", lembra Maria Bernadete Abaurre, coordenadora do vestibular da Unicamp. "Quando você menos espera, um conceito não compreendido em Biologia aparece em uma aula de Química."

6. Dispersar-se

Se a irmã está cantando, o pai ouvindo rádio e a mãe vendo TV, não há quem consiga estudar. "Coisas assim nem sempre impedem o estudo, mas vão fazer com que o aluno leve 1 hora para concluir o trabalho que faria em 20 minutos", alerta Adriana Machado, do Serviço de Psicologia Educacional da USP

7. Adiar tudo

Não caia na armadilha de adiar o estudo na crença de que ainda tem bastante tempo. "É comum o aluno deixar para estudar depois porque sempre encontra coisas mais ‘ 'importantes' a fazer, como dar banho no cachorro", diz Teresa Rego, professora da Faculdade de Educação da USP. Quando isso acontece, as tarefas se acumulam e fica impossível dar conta de tudo.

domingo, 9 de setembro de 2012

Reconhecimento.

Do blog de Carlos Santos:

Luiz Carlos – O ex-vereador Luís Carlos (PT), que tenta voltar à Câmara Municipal de Mossoró, receberá no próximo dia 13 uma manifestação de apoio por parte de profissionais da educação da Uern, Ufersa, IFRN e das redes estadual e municipal de ensino. Ao todo serão 130 assinaturas que endossarão o nome do petista para a Câmara Municipal, onde cumpriu dois mandatos de vereador. (O Mossoroense).

Nota do blog: Conheço o ex-vereador, acompanhei sua atuação quando fazia parte da Câmara Municipal de Mossoró. Homem atuante, de caráter, digno de respeito. É de grande valia o reconhecimento das instituições, haja vista a participação ativa do ex-vereador no exercício de sua função quando então fazia parte da Casa.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Ufrn, Ufersa, Uern, Unp e o ranking das melhores universidades do país.


Das 191 universidades pesquisadas a UFRN ficou em 21º, bom desempenho, segundo analista. Já a Ufersa ocupou 75º lugar, e bem depois, na 126º posição, está a Uern. Segundo entrevista, ao jornal Defato, o reitor  professor Arimateia de Matos , que teceu crítica a pesquisa, disse: “O critério adotado foi consultar pesquisadores do CNPq, e aí me diga: qual foi o critério? Será que esses professores conhecem a Ufersa?”. O professor afirma que a Ufersa dispões cerca de 20 pesquisadores com bolsa produtividade no CNPq e ainda pedidos de patente, inclusive, internacional.

Segundo o jornal “A única universidade privada na lista é a Universidade Potiguar (UnP). Ela também zerou os critérios que mediam a qualidade de ensino e inovação e tem a maior quantidade de alunos matriculados (29 mil), enquanto a UFRN dispõe do maior número de cursos (125)”.

Veja abaixo as dez melhores universidades:

1ºUSP - SP
2ºUFMG - MG
3ºUFRJ - RJ
4ºUFRGS - RS
5ºUnicamp - SP
6ºUnesp - SP
7ºUFPR - PR
8ºUnB - DF
9ºUFSC - SC
10ºUFPE - PE

Confira AQUI mais informação.