segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

SAUDAÇÕES AO PLANETA TERRA QUE PERFAZ MAIS UM CICLO EM TORNO DO SOL.

O blog  deseja a todos que acessam, e os que não acessam, profundas realizações no novo ano do nosso calendário.

SAUDAÇÕES AO PLANETA TERRA QUE PERFAZ MAIS UM CICLO EM TORNO DO SOL.



domingo, 30 de dezembro de 2012

O instante que se vai, morre para dar lugar a fluidez do momento.


Assim foram-se os nossos segundos, minutos, horas, dias, meses e anos... Assim, e aos poucos, somos consumidos pela passagem, inexorável, do tempo. O que ficou desaparecerá com a longevidade do tempo. O que passou, logo será mera lembrança, sem sentimento, e que desaparecerá. Só nos resta seguir em frente, pois é assim que flui o instante, sempre em frente, momento a cada momento. Nada de voltar ou se prender no passado ou futuro. Assim também seria interessante pensarmos, acho eu.

Devemos sempre estar seguindo a fluidez do tempo. Deste modo, viver o precioso momento no instante exato de sua existência. Devemos buscar a primazia da existência humana, as suas incertezas e finitude. Sentir a sua real condição. Sem máscaras. Sem disfarces. Aceitar as incertezas das coisas é abrir-se para o momento presente, tão rejeitado por nós. Normalmente ficamos presos no passado ou no futuro. Nossa felicidade fica presa a uma esperança do amanhã que nuca chega ou a um passado que já se foi, e que muitas vezes deixamos de vivenciá-la. Talvez seja por isso que ficam nas lembranças aqueles dias nos quais vem aquela nostalgia: “eu era feliz e não sabia”. Ora vivendo no amanhã, ora vivendo em nostalgia.

Não vou aqui desejar a felicidade para o próximo ano, já que minha intenção é vivenciá-la agora em toda sua plenitude (sem disfarces e sem medos). Como enfatizou Paulo Coelho em uma de suas mensagens “Quem vive o dia de hoje com medo do amanhã, não vive nem o hoje, e nem o amanhã, Mas quem se entrega ao presente, vê a Eternidade em cada segundo”.

Portanto, feliz o dia de hoje, e que venha, quando bem entender, o dia de amanhã. Que este venha, se é que estarei aqui para senti-la, com todos os seus sabores e dissabores. Nua e crua. Como afirma Machado de Assis: “Isto é a vida; não há planger, nem imprecar, mas aceitar as coisas integralmente, com seus ônus e percalços, glórias e desdouros, e ir por diante. (Teoria do medalhão,1882. In: Papéis avulsos).

É desta maneira que tento viver o presente. É neste pensamento que as sensações de medo se ampliam e se encolhem. Todavia, a sensação de estar vivendo o presente, mesmo que provoque medo, é algo extremamente sutil e reconfortante. Sentir o tempo se esgotando, percebendo a decrepitude todos os dias bater à sua porta através do entardecer, da folha secando, do por do sol, de alguém que se foi, do momento que já não existe mais, é viver em sabedoria. Segundo dizem os grandes mestres.

Logo, o que desejo para este momento é aprender que o agora se faz mais importante do que o que vem mais adiante, pois este poderá não vir da maneira como meu ego o criou.

Deste modo, feliz o dia de hoje pra todos. Felizes sejam os instantes que irão embora, pois da ida destes nascerão outros que, talvez, estarei aqui para vivenciá-los. 

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Maria Bethânia - Reconvexo (em homenagem a Dona Canô)

Em homenagem a senhora mãe de dois cantores (Caetano Veloso e Maria Bethânia) de destaque do Brasil registro aqui a música de Maria Bethânia "Reconvexo".



Letra da música:

Eu sou a chuva que lança a areia do Saara
Sobre os automóveis de Roma
Eu sou a sereia que dança, a destemida Iara
Água e folha da Amazônia

Eu sou a sombra da voz da matriarca da Roma Negra
Você não me pega, você nem chega a me ver
Meu som te cega, careta, quem é você?
Que não sentiu o suingue de Henri Salvador
Que não seguiu o Olodum balançando o Pelô
E que não riu com a risada de Andy Warhol
Que não, que não, e nem disse que não

Eu sou o preto norte-americano forte
Com um brinco de ouro na orelha
Eu sou a flor da primeira música a mais velha
Mais nova espada e seu corte

Eu sou o cheiro dos livros desesperados, sou Gitá gogoya
Seu olho me olha, mas não me pode alcançar
Não tenho escolha, careta, vou descartar
Quem não rezou a novena de Dona Canô
Quem não seguiu o mendigo Joãozinho Beija-Flor
Quem não amou a elegância sutil de Bobô
Quem não é recôncavo e nem pode ser reconvexo






quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Um calendário que se encerra e o fim do mundo que não existe.

Não é de agora que se fala no fim do mundo. As empresas de entretenimento, os cinemas, há muito relatam isso. São várias produções cinematográficas que mostram os momentos finais. Têm uns que até são bem elaborados e outros que ultrapassam a linha do raciocínio lógico, e "fura" as leis naturais. 

A reportagem abaixo mostra os diversos filmes que relatam o fim do mundo. Por exemplo: 'Melancolia' (2011), 'Procura-se um amigo para o fim do mundo' (2012), 'Impacto profundo' (1998), '2012' (2009), 'O dia depois de amanhã' (2004), 'Guerra dos mundos' (2005), 'Independence day' (1996), 'Armageddon' (1998), 'Presságio' (2009), '4:44 – O fim do mundo' (2011), 'Sunshine – Alerta solar' (2007), 'A última noite' (1998). Confira AQUI

Contudo, sabemos que já ocorreram várias histórias geológicas da Terra: cenozoica, mesozoica, paleozoica e pré-cambriana ou arqueozóica. Nosso planeta já é demasiadamente velho, comparando com a pequena longevidade humana. Conforme se lê no site:

“Idade da Terra: Em 1654, um arcebispo irlandês calculou, com base em textos bíblicos, que a Terra teria se formado às 9 horas do dia 26 de outubro de 4.004 a.C. Hoje, sabemos que a Terra tem em torno de 4,5 bilhões de anos. O Big bang teria ocorrido há 15 bilhões de anos atrás; as Galáxias teriam se formado há 13 bilhões de anos; as Primeiras estrelas teriam surgido há 10 bilhões de anos; o Sol teria se formado há 5 bilhões de anos; e a Terra há 4,5 bilhões de anos”. (Fonte: http://planetario.ufsc.br/dados-sobre-o-planeta/).

Este pequeno planeta já passou por diversas transformações físicas, químicas e biológicas. Já passou por diversas catástrofes naturais que levaram a ser o que é hoje. Logo chegará à próxima catástrofe que, para mim, não é agora. 

Assim, como todo calendário chega ao fim, o nosso calendário é renovado a cada ano, pois ainda estamos aqui para criá-lo, o calendário da civilização maia também chegará ao fim, neste caso, amanhã, dia 21 de dezembro de 2012. Como a civilização maia não existe mais, não há calendário para ser renovado, até porque o ciclo chega ao seu fim na data aqui relatada. 

Portanto, a data 21/12/2012 e os dias que se seguem, serão como qualquer outro. A presidente Dilma Rousseff que o diga, já que ela posa para foto no qual aparece por trás dela o seguinte dizer: “O fim do mundo não existe”. (Confira AQUI).

Neste caso, caros amigos e amigas, tudo irá transcorrer, no dia ou após a suposta tragédia, como qualquer outro: você devendo ao cartão de crédito, querendo sair do juro e não consegui; o cachorro ainda estará correndo para pegar o gato, a sua namorada ou namorado perturbando; seus pais pedindo para você organizar seu quarto ou a casa; o rapaz do leite cobrando o real que você há muito não paga; as preocupações em ter que fazer provas ou trabalho para a escola ou na universidade; a defesa de sua tese ou monografia, a produção do artigo ou  a finalização do seu TCC, etc, etc e etc...

No final das contas, é o mundo de quem está apertado (“aperriado”, apoquentado) que irá se acabar. Contudo, se este for muito forte, resistirá as catástrofes mentais (de quem deve muito, ou de quem tem muito o que fazer) e estará sã e salvo para passar novamente por estas emoções. Que assim seja!


domingo, 16 de dezembro de 2012

"Mexeu com Lula, mexeu comigo".


Ressurgem aqui as manobras da oposição de adentrar fundo nas denúncias no que tange provar que Luiz Inácio Lula da Silva, Lula,  também fez parte do mensalão.  

A oposição tenta a todo custo levar Lula a Câmara e lá fazê-lo interrogatórios (uma espécie de tortura democrática). Os partidos se mobilizam e preparam ação, como mostrou a Veja em reportagem no último dia 11, “O PPS pediu, na manhã desta terça-feira, a abertura imediata de inquérito para investigar o ex-presidente. Já o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias, afirmou que, ainda nesta tarde, deve protocolar um convite para que Valério fale ao Senado. Na semana passada os tucanos já haviam protocolado representação pedindo a abertura de investigação sobre a atuação de Lula no esquema do mensalão”.

Josias de Souza, em seu blog, “Blog do Josias”, diz que o discurso de Marcos Valério à Procuradoria-Geral da União desqualificou o discurso do PT que antes dizia: 1) o STF rendeu-se à pressão da mídia e virou um tribunal de exceção; 2) José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha e até Delúbio Soares foram condenados injustamente. 3) o mensalão não existiu. Era caixa dois. E que agora, depois da condenação dos réus vem afirmando: 1) esqueçam aquele Valério genial, mago das finanças, recebido com honrarias nos gabinetes do partido e da República. O julgamento do STF fez dele um criminoso indefensável. 2) como Lula não se envolveu com esse desqualificado, os cúmplices dele no PT e no governo são outros.

Diante de tudo isso o governo vem tentando blindar o ex-presidente. O mesmo vem “mexendo os pauzinhos” para que Lula não vá passar pelas garras afiadas do Congresso. Contudo, não é só o governo que utiliza das forças dos jedis (pronuncia-se “jedais”). O povo também vem em defesa do “Lula lá” e já preparam uma manobra de ataque para trazer guerreiros em defesa da ordem política de outrora que, nunca antes neste país, foi tão perfeita. As estratégias vêm pelos caminhos mais povoados, as redes sociais, e trazem o seguinte dizer: "Mexeu com Lula, mexeu comigo".

Vamos esperar essa guerra dos mudos (políticos) para ver quem será o mocinho dessa empreitada sangrenta.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

STF X Câmara, sairá demo ou Babel?

Deu no site da Uol:

Sessão cancelada

A decisão se cabe aos ministros do Supremo ou à Câmara a palavra final sobre a perda dos mandatos dos três deputados condenados no processo do mensalão foi novamente adiada. Falta apenas o voto do ministro Celso de Mello, que deve seguir o entendimento do relator, pela cassação, mas seu gabinete informou que Mello está com febre e não compareceu à sessão de hoje.


Neste caso, ficará para a próxima sessão a decisão de Celso de Mello. Com o cancelamento muitas águas vão rolar em termo de indiretas entre os poderes. Na reunião de hoje o ministro Marco Aurélio de Mello disse: "A postura extramuros [referindo-se à Câmara] não intimida. É impensável não se cumprir uma decisão do Supremo. Se não se observar a decisão do Supremo, é o fim. É a Babel".

Explicando o significado de Babel, citado pelo ministro: 

narrativa bíblica em que uma torre foi construída para chegar ao céu. Na construção da Torre de Babel, segundo a Bíblia, Deus castigou os homens de maneira que estes falassem várias línguas e não se entendessem.

Na minha visão, homem simples, de pouco conhecimento das leis (hipercomplexas e cheias de brechas) do nosso país, prefiro que se chegue a um consenso do que ficar uma guerra de poderes que, na maioria das vezes, o povo é quem perde.

Lenga-lenga sai daqui a pouco. Frases dos ministros definem voto

Supremo Tribunal Federal (STF) decide, daqui a pouco, o lenga-lenga sobre quem tem a ultima palavra sobre o empasse a perca ou não dos mandatos políticos dos condenados. Até lá, ficamos com essas frases, extraídas do jornal Folha de São Paulo:

VOTARAM PELA PERDA AUTOMÁTICA DOS MANDATOS

"Causa-me desconforto dizer-mos que uma pessoa condenada à priva-ção de liberdade por 10, 14 anos possa exercer o mandato" (JOAQUIM BARBOSA)

"O movimento popular da Ficha Limpa entende que é legítimo autorizar parlamentares a pra-ticar atos contra a lei? Entendo que não" (LUIZ FUX)

"Como alguém condenado a cum-prir pena em regime fechado continua com mandato parlamentar? Isso salta aos olhos" (GILMAR MENDES)

"São efeitos da condenação a perda de função pública ou mandato. A perda do cargo a meu ver já geraria o afasta-mento do mandato" (MARCO AURÉLIO DE MELO).


VOTARAM QUE A DECISÃO CABE À CÂMARA

"Não estamos acima de outros Poderes. Todos vão presos. Agora, perda do mandato é outra coisa, é uma decisão política" (RICARDO LEWANDOWSKI)

"Não cabe ao Poder Judiciário fazê-lo [cassar o mandato], porque a disposição do mandato é exclusiva dos eleitores" (ROSA WEBER)

"O voto é do representante, e não do representado. O que se protege não é a pessoa física do par- lamentar, mas sua representatividade" (DIAS TOFFOLI)

"Num sistema na qual os esteios são a legalidade e a responsabilidade, há de se esperar responsabilidade de todos os Poderes" (CÁRMEN LÚCIA)


AINDA NÃO VOTOU, MAS SINALIZOU QUE APOIARÁ A PERDA AUTOMÁTICA

"A perda dos direitos políticos é um efeito geral que se aplica a qualquer réu sentenciado. Sem a posse plena dos direitos políticos ninguém pode permanecer no desempenho de uma função pública"
(CELSO DE MELLO)

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Condenação com pizza ou sem?

Veja só... no artigo 55, que trata da perda de mandato de deputado ou senador em caso destes sofrerem condenação criminal (item VI, parágrafo 2º): "A perda do mandato será decidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por voto secreto e maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa". 

Pelo que está escrito, e principalmente a palavra “voto secreto”, poderá tornar a decisão do STF “meia boca”, haja vista alguns políticos, e amigos dos condenados, fizerem voto de absolvição das perdas dos mandatos dos parlamentares. . A meu ver deveria ser inconstitucional um condenado ainda ser representante do povo, e, principalmente, manter as prerrogativas política. 

Há muitas brechas na Constituição, e bem sabemos que são estas brechas que facilitam as saídas pela retaguarda. Uma forma simples e eficaz para muitos dos corruptos. 

Em uma reportagem da Folha de São Paulo, 10/12/2012, na qual extraí este artigo 55, o responsável pelo texto abaixo, MARCO MAIA, 46, deputado federal pelo PT-RS, presidente da Câmara dos Deputados, esclarece, em favor do item VI, parágrafo 2º: 

‘“Mesmo que paire alguma dúvida sobre tal enunciado, os registros taquigráficos dos debates que envolveram a redação do artigo 55 pelos constituintes, em março de 1988, são esclarecedores da sua vontade originária. Coube ao então deputado constituinte Nelson Jobim a defesa da emenda do também constituinte Antero de Barros: "Visa à emenda (...) fazer com que a competência para a perda do mandato, na hipótese de condenação criminal ou ação popular, seja do plenário da Câmara ou do Senado". E, mais adiante, conclui: "(...) e não teríamos uma imediatez entre a condenação e a perda do mandato em face da competência que está contida no projeto". A emenda foi aprovada por 407 constituintes, entre eles Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas, Aécio Neves, Luiz Inácio Lula da Silva, Ibsen Pinheiro, Delfim Netto, Bernardo Cabral, demonstrando a pluralidade do debate empreendido naquele momento’”. 

Portanto, vamos esperar que o STF faça a votação e prime pela lógica da condenação, que, para a maioria dos brasileiros, saia uma decisão capaz de manter uma postura mais coerente com o pensamento de um povo.

sábado, 8 de dezembro de 2012

A Uern é a pior universidade pública.

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) foi a instituição pública de ensino com menor nota no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgados na quinta-feira (6) pelo Ministério da Educação (MEC). Obteve média 3, considerado o mínimo aceitável. O máximo é 5. Os dados são de 2011.

Todas as outras, a Universidade Federal do RN (UFRN), a Universidade Federal Rural do Semi-árido (UFERSA) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRN), alcançaram nota 4.

Das faculdades privadas, dez foram reprovadas no Estado, entre elas a Faculdade de Ciência e Tecnologia (Mater Christi – Mossoró), cuja nota 2 é considerado insatisfatório pelo Mec.

As outras instituições privadas com a mesma nota foram: Faculdade de Ciências Empresariais e Estudos Costeiros de Natal (FACEN – Natal) União Americana (União Americana – Parnamirim); Estácio de Natal; do Seridó (FAZ – Currais Novos); Católica Nossa Senhora das Vitórias (FCNSV – Assu); Católica Nossa Senhora das Neves (FCNSN – Natal); e a Católica Santa Teresinha (FCST – Caicó).
Ficaram com a expressão “sem conceito” o Instituto de Ensino Superior do Rio Grande do Norte (IESRN – Natal); e a faculdade Maurício de Nassau (FMN – Natal).

Veja esta reportagem na íntegra AQUI

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Atenção amantes da leitura e filmes.


Atenção leitores, chega na net dois gigantes ao País. Entrou no ar a loja de e-books da Amazon, e a Google Play. Ambas prometem revolucionar o setor de vendas de livros e filmes em todo o Brasil.

Nos sites há catálogos com preços em reais. Atenção, quem tem conta no Google poderá fazer o pagamento pelo cartão de crédito.

Acessem aqui:
AMAZON   e   GOOGLE PLAY


domingo, 2 de dezembro de 2012

Felipão é xingado em festa de fim de ano

Em entrevista, quando em sua apresentação no cargo, Felipão, Luiz Felipe Scolari, cometeu uma garfe quando disse: que , se quem quiser algo tranquilo, “que vá trabalhar no Banco do Brasil”. Essa frase gerou irritação dos funcionário da estatal. Felipão, percebendo o erro, pediu desculpas. Todavia, o pedido não foi aceito por alguns funcionários.

Segundo Uol Esporte: "entidades sindicais ligadas aos bancários divulgaram uma série de notas de repúdio contra o treinador, que depois veio a público se desculpar pela gafe. No entanto, pelo menos os funcionários de São Paulo do BB não quiseram saber das escusas de Felipão".

Os efeitos da tal garfe se espalhou, pois, e segundo o site da Uol,

Durante a festa de final de ano do Banco do Brasil, em uma casa de show na Grande São Paulo, os funcionários puxaram um coro, xingando Scolari, no meio do show da banda Capital Inicial. Depois disso, ele também foi ofendido durante o cover da música “Que País É Esse”, da Legião Urbana.

Dinho Ouro Preto, vocalista da banda, entrou na pilha dos presentes e criticou duramente o treinador por sua passagem pelo Palmeiras, o culpando pelo rebaixando do Campeonato Brasileiro, e por sua frase sobre o Banco do Brasil.