sábado, 10 de setembro de 2016

A arte e a virtude de ter paciência.

  
por Lindeberg Ventura

Quão bela é a arte da paciência. Contudo, não são todos que a praticam. No dicionário Houaiss significa a capacidade para suportar dificuldades, calma para aguentar algo que demora. Mas, ter paciência é mesma coisa que ser paciente? Já ouvi pessoas dizerem: “... esse cara é muito paciente...”. Bem, então vamos lá...A palavra “paciente” é também relativo a aquele que tem paciência (capacidade para suportar), todavia também significa indivíduo doente (indivíduo sob tratamento médico), em latim é patientis (aquele que suporta). Neste caso, há semelhança singular entre uma palavra e a outra. Ou seja, são a mesma, em seu contexto particular.

  Sem embargo, o que vem ao caso aqui é: a paciência é uma arte e uma virtude? Luc de Clapiers dizia que paciência é a arte da espera. Já ouvi falarem, em sermões cristãos, que a virtude vem de Deus, é emanada do Espirito Santo. Creio que a virtude veio da humanidade e que pode ser ensinada pela prática, mais do que pela teoria. Ela vem desde Aristóteles e vem como uma espécie de disposição em fazer o bem. Spinoza dizia que virtude e poder são semelhantes. Sponville afirma ser uma força que age ou que pode agir e ainda afirma que a virtude de um ser é o seu valor.

  Ora, para podermos praticar a paciência devemos então ter alguém que necessite receber, estar disposto a, nas ideias de Aristóteles. Tem que haver alguém que sofre para que eu possa praticar. Assim, nas ideias aristotélicas, isto não seria uma tolerância? Sponville afirma que “Tolerar é aceitar o que poderia ser condenado, é deixar fazer o que se poderia impedir ou combater”. O mesmo autor destacava: “A tolerância só vale contra si mesmo, e a favor de outrem”. Nesta afirmação, a tolerância é sempre uma batalha que travamos conosco. Portanto, devemos ter paciência quando toleramos. Vale salientar que a tolerância não poderá ser infinita, pois se assim o fosse estaria perdida (sem rumo conceitual) e entraria no campo da intolerância. Tem que haver o controle consciente e racional para se ter paciência e tolerar. Daí também a justificativa de ser uma arte. 

  A despeito de muitas teorias e conceitos que permeiam tais palavras (paciência, tolerância e arte), a meu ver, a paciência é uma virtude em que necessita-se, também, da tolerância, para que seja uma arte. E para ser arte tem que haver o controle consciente e racional do praticante, criando habilidade e disposição a fim de executar a prática da virtude.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Não tem receita e ainda debocha



Segundo alguns pensadores, AS INCERTEZAS são as únicas certezas do processo da vida.
A VIDA SEMPRE SERÁ MARCADA por decepções do que por, e tão somente, júbilos. Sabendo disso, fica mais fácil dar a cara pra bater. Encarar a realidade de frente. Qualquer caminho escolhido terá suas tristezas e alegrias. A vida não dá moleza. Não há receita para a felicidade. O mundo debocha de nossas fórmulas. A complexidade da vida tira sarro da nossa cara.